Distúrbios hormonais (Nutrição e ginecologia)

femme allongée avec un épouventaille

Aurore, 25 anos, alterou há 6 meses o seu método contracetivo e, nos últimos tempos, tem tido um aumento de peso, problemas de pele, períodos dolorosos e irregulares e crises de depressão. Pensa imediatamente em problemas hormonais, mas é a primeira vez que tem de lidar com um contracetivo que não lhe convém e não sabe bem o que fazer.

Olá, eu sou a Dra. Joy.

Analisemos a importância das hormonas na mulher, o seu impacto e a forma como as podemos regular.

Vamos!

As hormonas desempenham um papel fundamental no funcionamento do nosso organismo e o seu equilíbrio é crucial para o nosso bem-estar geral. Os distúrbios hormonais podem ter um impacto significativo na saúde da mulher. Neste artigo, vamos explorar as ligações entre as hormonas, a nutrição e a saúde ginecológica, bem como as formas de manter um equilíbrio hormonal ideal.

A importância das hormonas

As hormonas constituem mensageiros químicos que regulam numerosas funções do organismo, que vão desde o crescimento até à regulação do metabolismo e do ciclo menstrual. No caso das mulheres, as hormonas como o estrogénio, a progesterona e a testosterona desempenham um papel fundamental na saúde ginecológica.

Distúrbios hormonais e saúde ginecológica

Os distúrbios hormonais constituem um desafio na saúde ginecológica da mulher, uma vez que podem influenciar o seu bem-estar físico e emocional em qualquer altura da sua vida. Um dos distúrbios hormonais mais frequentes nas mulheres é a síndrome dos ovários poliquísticos (SOP), uma síndrome caracterizada por níveis elevados de androgénios (hormonas masculinas) e numerosos pequenos quistos nos ovários. Os principais sintomas são:

  • Períodos irregulares,
  • Problemas de fertilidade,
  • Ganho de peso inexplicável
  • Acne
  • Crescimento excessivo de pelos (rosto e corpo)
  • Perda de cabelo

Os distúrbios hormonais podem também aumentar o risco de doenças cardíacas e de certos tipos de cancro nestas mulheres. Além disso, uma vez que estão frequentemente associados à resistência à insulina, estes desequilíbrios podem, em última análise, conduzir à diabetes de tipo 2.

Os distúrbios menstruais podem também ser o resultado de um desequilíbrio hormonal. Por exemplo:

  • Menorragia: hemorragias abundantes e irregulares que colocam as mulheres em risco de anemia e outros problemas de saúde,
  • A amenorreia, ou ausência de menstruação, poderá ter consequências graves, incluindo infertilidade e perda de densidade óssea.

A menopausa, uma fase de transição natural na vida da mulher, é igualmente muito influenciada pelas hormonas. As flutuações hormonais nesta fase podem causar sintomas como:

  • Afrontamentos,
  • Suores noturnos
  • Distúrbios do sono,
  • Secura vaginal e de todas as membranas mucosas (pele, olhos…)
  • Perda de cabelo
  • Envelhecimento da pele
  • Perda óssea,
  • Alterações de humor

As mulheres que estão na menopausa podem também ser mais vulneráveis a doenças cardiovasculares e à osteoporose.

O tratamento dos distúrbios hormonais ginecológicos depende da causa subjacente. Pode incluir medicamentos reguladores das hormonas, como os contracetivos, ou reguladores da glicemia, como a metformina, cirurgia para tratar outras causas de menorragia, ou alterações do modo de vida para reduzir os sintomas. É essencial que as mulheres que suspeitem de perturbações hormonais ou que apresentem sintomas invulgares consultem um profissional de saúde, em especial um ginecologista. Através de um diagnóstico precoce e de um tratamento adequado, é possível minimizar as complicações e melhorar a qualidade de vida.

Medicina alternativa e equilíbrio hormonal

Os métodos naturais, como a dieta, os remédios à base de plantas, a gestão do stress e os hábitos de vida saudáveis também podem desempenhar um papel importante na regulação hormonal.

  1. A dietética e a naturopatia

Trabalhar com um naturopata ou um nutricionista pode trazer melhorias significativas na qualidade de vida.

  • Tomando medidas em matéria de nutrição e micronutrição. O nutricionista ou o naturopata podem conceber um plano alimentar adaptado às necessidades da mulher, concentrando-se em alimentos anti-inflamatórios que regulam os níveis de glicemia e apoiam o equilíbrio hormonal, tais como vegetais crucíferos, alimentos ricos em ómega 3, as fibras, uma hidratação adequada, etc.
  • Incorporando suplementos naturais, como as ervas medicinais, os óleos vegetais, os óleos essenciais ou as vitaminas específicas para apoiar o sistema endócrino e reduzir os sintomas hormonais.
  • Adaptando o estilo de vida, fazendo alterações como a prática regular de exercício físico, um sono de qualidade, reduzindo a exposição a toxinas, técnicas de desintoxicação, que podem contribuir para um melhor equilíbrio hormonal.

 

  1.  As terapias breves

Outras abordagens holísticas podem ajudar a equilibrar as hormonas, agindo sobre o stress:

Dado que o stress pode ter um impacto negativo nas hormonas, o acompanhamento através da sofrologia, da hipnose, da EFT e/ou da EMDR terá um impacto real na aceitação destes problemas hormonais e, por conseguinte, nos seus sintomas. A meditação, o ioga e a respiração profunda constituem igualmente bons aliados.

Assim, ao adotar uma abordagem global, é possível promover uma função hormonal ideal e garantir o bem-estar geral. Recomenda-se um acompanhamento médico e terapêutico adequado para identificar a melhor abordagem a adotar.

 

Este artigo é fornecido apenas para fins informativos e não substitui de forma alguma o aconselhamento médico. Consulte um profissional de saúde para questões específicas sobre a sua saúde ginecológica e hormonal.

Fontes :

– Livi – https://www.livi.fr/sante/dereglement-hormonal/
– Santé Magazine – https://www.santemagazine.fr/sante/menopause-et-andropause/3-choses-a-savoir-sur-les-desequilibres-hormonaux-309411

MARCAR UMA CONSULTA

Nossas novidades