O sol e a pele

Soleil et la peau

Com 2.800 horas de sol por ano, em Lisboa, pode estar-se bem durante todo o ano! No entanto, esta exposição faz-nos pensar na importância de cuidar da nossa pele e de a proteger dos raios solares. É certo que o sol tem múltiplos efeitos sobre a pele, mas nem todos são prejudiciais.

Durante muito tempo, falámos apenas dos seus efeitos benéficos. Nomeadamente, o sol produz uma sensação de bem-estar e de relaxamento e induz a síntese de vitamina D, essencial à vida. No entanto, a exposição ao sol durante apenas alguns minutos por dia é suficiente para obter a quantidade necessária de vitamina D. A verdadeira nocividade do sol esconde-se por detrás de uma exposição regular sem proteção.

Quais são os riscos de uma exposição desproporcionada e sem proteção?

Os verdadeiros danos do sol estão escondidos por detrás da exposição regular sem proteção.

Alerta de spoiler: são muitos!

  • Os efeitos imediatos, bem conhecidos da maioria da população, são, em primeiro lugar, os famosos ESCALDÕES. Trata-se, de facto, de uma queimadura real, cuja gravidade varia entre uma simples vermelhidão e uma queimadura de segundo grau com bolhas. Os raios UV de classe B são responsáveis pela maioria dos escaldões e das queimaduras. Com um comprimento de onda mais curto do que os raios UVA, penetram na pele com menos intensidade.
  • O HERPES pode também ser causado por uma exposição solar excessiva (ou seja, uma exposição repetida, sem proteção, durante as horas mais agressivas do dia, entre as 10 e as 16 horas).
  • Por fim, o ESPESSAMENTO DA PELE é também um efeito secundário imediato da exposição de alto risco, pois resulta de um fenómeno de proteção da epiderme. O espessamento da epiderme permite bloquear melhor os raios UV, mas é também responsável por grandes crises de acne nos dias que se seguem ao fim da exposição.

Os efeitos a longo prazo são os que mais nos interessam, uma vez que são mais agressivos e frequentemente irreversíveis. Tanto os raios UVA como os UVB são responsáveis por estas alterações.

  • Um dos primeiros efeitos a longo prazo é uma consequência direta da exposição contínua: o ENVELHECIMENTO CUTÂNEO. O sol é o principal fator que acelera o envelhecimento natural da pele. Com uma exposição prolongada e repetida, os raios UV emitidos pelo sol destroem progressivamente as fibras elásticas que mantêm a pele unida e modificam a rede de fibras de colagénio. O envelhecimento da pele traduz-se geralmente por uma secura intensa, uma alteração da tez (baça e pálida), anomalias superficiais (vasos dilatados, rosácea, manchas castanhas, etc.) e rugas. Para mais informações sobre o envelhecimento da pele (prevenção, características específicas e tratamentos), consulte o nosso artigo sobre o assunto.
  • O sol pode também ser responsável por um grande número de cancros da pele. A sua taxa de incidência tem vindo a aumentar de forma constante nos últimos anos.

Os três principais tipos de cancro da pele

Os três principais tipos de cancro da pele são o carcinoma basocelular, o carcinoma espinocelular e o melanoma. São causados, pelo menos em parte, pela exposição prolongada ao sol.

  • O carcinoma basocelular é o cancro de pele mais frequente, desenvolvendo-se em determinadas células da camada superior da pele, a epiderme. É geralmente detetado pelo aparecimento de uma pápula brilhante na pele que cresce lentamente.
  • O carcinoma espinocelular é o segundo cancro de pele mais frequente. É um tumor maligno que se origina nas células escamosas da pele, também conhecidas como queratinócitos, presentes na epiderme. Aparecem na pele crescimentos espessos e escamosos que não cicatrizam.
  • O melanoma tem origem nas células que produzem o pigmento da pele, os melanócitos. Os melanomas podem desenvolver-se numa pele saudável ou em sinais. Podem ser manchas de pele castanhas irregulares, planas ou elevadas, com pontos de cores diferentes, ou nódulos pretos ou cinzentos de consistência firme. Os melanomas estão a aumentar nos países ocidentais, onde a exposição ao sol é mais frequente.

Para mais informações sobre os cancros da pele, consulte o nosso artigo sobre o assunto.

Como proteger-se dos efeitos nocivos do sol?

Como já deve ter percebido, os efeitos nocivos do sol são de grande alcance e por vezes irreversíveis. Mas não é impossível proteger-se. Pode usar vestuário anti-UV (t-shirts de mangas compridas, calças, chapéus de abas largas), aplicar um protetor solar com um fator de proteção solar (FPS) mínimo de 30 de 2 em 2 horas e depois de entrar na água ou de transpirar, ou, evidentemente, evitar o sol, ir para a sombra e abster-se de atividades ao ar livre entre as 10 e as 16 horas no verão.

Se ainda tiver dúvidas, se desejar obter mais conselhos sobre determinadas alterações cutâneas, ou se desejar fazer um controlo de um sinal anormal ou de outra alteração da sua pele, não hesite em contactar o nosso dermatologista no Centro Médico Alegria.

 

Estas informações não pretendem, de forma alguma, substituir o aconselhamento médico. É imperativo que procure o conselho do seu médico ou de outro profissional de saúde qualificado para quaisquer questões relacionadas com o seu estado de saúde.

Saiba mais com os nossos dermatologistas

Nossas novidades